Manejo desenvolvido pelo Criatório Macapaba

  •  Chegar pela manhã, se possível, assim que clarear o dia;
  •  Vestir Roupas limpas, de cores discretas, evitando estressar os pássaros (avental branco do Criatório Macapaba);
  •  Usar sapatos limpos;
  •  Não fazer barulho e movimentos bruscos, para não assustá-los;
  •  Ao se aproximar das gaiolas, fazê-lo com moderação, se possível brincando com os pássaros;
  •  Dar prioridade aos pássaros doente, evitando o esquecimento dele na enfermaria;
  •  Antes de começar as tarefas rotineiras, fazer uma avaliação geral do Criatório, para que sejam feitas as devidas correções emergenciais, se necessárias: bebedouros vazios por esquecimento, bebedouro danificados, pássaros que jogam a água fora, etc;
  •  Comedouros vazios – reabastecê-los, se for o caso, corrigir a causa;
  •  Pássaro doente – retirá-lo do convívio com os demais, levando-o para a enfermaria do Criatório (cuidado, verifique se tudo está em ordem na gaiola);
  •  Pássaro ausente (pode ter fugido e estar com sede ou fome, perdido em algum canto do criatório).

 :: ATIVIDADES DIÁRIAS

  • Trocar a água do bebedouro, pura ou com medicamento;
  • Verificar e repor se necessário a quantidade de alimento a ser consumida. Colocar no máximo dois terços do comedouro, evitando o desperdício;
  • Colocar farinhada (em unhas de plástico) e retirá-las à tarde, evitando a fermentação. Esterilizá-las diariamente para a reutilização no dia seguinte;
  • Colocar água para o banho (meia banheira de água) e retirá-la duas horas depois, evitando que o pássaro beba a água suja;
  • Trocar o papel do fundo da gaiola em dias intercalados ou sempre que necessário;
  • Limpar as prateleiras do criatório com um pano umedecido em água e detergente (não exagerando na dosagem de detergente para não intoxicar os pássaros. É usada a medida de 30 ml a 35 ml para cada litro de água);
  • Varrer e passar pano umedecido em água com detergente e solução clorada no piso do criatório.

    NOTA
    :
    Encerrar toda e qualquer atividade no criatório ante que escureça, para que os pássaros se empoleirem devidamente em paz.


:: 
ATIVIDADES SEMANAIS

  • Acrescentar frite mineral preparada nos comedouros, quando necessário.

:: ATIVIDADES MENSAIS
  • Dar preventivo contra coccidiose para filhotes desmamados (Coccidex Aarão), uma vez por mês, até que complete um ano de vida, quando já serão considerados adultos;
  • Trocar bebedouros por outros devidamente esterilizados;
  • Lavar e esterilizar todos os bebedouros retirados. Lavá-los com água e sabão auxiliado por uma escova de dente ou pincel duro, para retirar toda a sujeira acumulada. Enxaguar e, depois que estiver seco, colocá-los em imersão durante 30 minutos em solução desinfetante (KILOL) e ou usar três colheres de sopa de água sanitária 20% a 25% para um litro de água. Deixá-los secar naturalmente sem enxaguá-los. Uma vez seco, guardá-los devidamente em lugar próprio até a próxima troca (30 dias depois), assim poderão ser utilizados posteriormente sem o risco de contaminação. Fig ..
  • Trocar os comedouros com ração e de areia preparada;
  • Lavar os fundos das gaiolas;
  • Trocar os poleiros. Colocando-os de molho (em 1 litro de água com 3 colheres de sabão em pó e 3 colheres de sopa de água sanitária por 5 minutos) e esfregá-los com bucha de aço inox até retirar todo o acúmulo de sujidades neles depositadas. Enxágüe-os bem. Depois de secos, esterilizados em solução de KILOL (2 ml para cada litro de água) por 30 minutos. Depois de seco guarde-os em recipiente próprio. Não é necessário enxaguá-los após a esterilização.

    NOTA:
    1. Evite deixar os poleiros por muito tempo na água, pois isto pode diminuir a sua vida útil;
    2. Os poleiros de lixa não podem ficar de molho. Lave-os rapidamente, esterilize-os a seco por 10 minutos em recipiente hermeticamente fechado, contendo cloro em pó para evitar a perda parcial ou total da lixa.

:: ATIVIDADES ANUAIS

  • Fazer exame de fezes para verificar o estado de saúde de todo o plantel. Esse exame deverá ser coletivo; porém, em separados para os machos, as fêmeas e os filhotes. Entre os exames que são solicitados coletivamente, temos: BACTERIOLÓGICO e ANTIBIOGRAMA, se for o caso; PARASITOLÓGICO – Coccidiose e verminoses.

    NOTA:

  •  Só é realizado o tratamento quando necessário. Usando o tratamento especifico indicado pelo laboratório;
  •  É feito o tratamento preventivo de acordo com o resultado dos exames;
  •  São cortadas as unhas, a limpeza e lubrificação dos pés com pomada de Calêndula, de preferência no período de descanso, ou seja, logo depois do período de muda de penas.

Devido às variações climáticas no decorrer do ano, a vida dos pássaros, tanto da natureza quanto em cativeiro, está sujeita a diversas mudanças fisiológicas. Elas são responsáveis pela existência de três períodos distintos com duração de, aproximadamente, quatro meses: período de muda de pena, descanso ou preparação para choca; e período de choca e procriação. Logo, as atividades relativas ao Criatório descritas aqui sofrem modificações próprias do período em questão.

O período da muda de pena no Criatório Macapaba inicia-se no mês de Março (com variações conforme a região brasileira), ocasião na qual se preparam os casais reprodutores para o chamado "ciclo reprodutivo", cujo sucesso dependerá primordialmente desta fase.

As fêmeas deverão estar dispostas e acomodadas de maneira que possam estar visualmente próximas, de forma que se observem, umas as outras, salientando que, em sendo assim, as gaiolas deverão estar sem a proteção das capas ou divisórias.

Os filhotes apresentam pinta pelo corpo, porém, aos 14 meses de idade, na segunda muda, os machos adquirem penas pretas ao longo de todo o corpo.

A maturidade sexual chega por volta dos nove meses para Curiós e dezoito meses de idade para Bicudos, porém a reprodução só ira ocorrer após o quatorze meses de vida para os Curiós e vinte e quatro meses de idade para os Bicudos, nos machos este prazo é um pouco maior.

Na época de muda de pena, a farinhada deverá ser dada apenas duas vezes na semana, pois esta é uma época de restrição alimentar, o objetivo é que os pássaros não cheguem gordas na estação de acasalamento.

Este processo busca uma aproximação bastante coerente ao modelo do seu "habitat" natural, onde, nesta época da "muda", esta espécie  em liberdade, aglomera-se sabiamente em verdadeiras colônias, no sentido da busca à proteção, considerando ser período de inverno.

Logo no início da muda de pena, administra-se 3 gotas de "Ferro-SM" em 50 ml de água, por um período de 15 dias consecutivos, adotando-se, após esse período, um intervalo de 7 dias e, na seqüência, retornando à dose inicial por um período de mais 7 dias.

Após esta profilaxia, as fêmeas deverão estar na fase "seca da muda". Assim, entrarão em descanso por 15 dias e, a seguir, receberão o "Aminosol" por um período de 10 dias consecutivos, na dose de 2 a 3 gotas adicionadas no bebedouro de 50 ml.

Após a "seca da muda" -; fase que normalmente ocorre no final de maio - início de junho, procede-se a novos cuidados preventivos profiláticos:

  • Trocar a água dos bebedouros, acrescentando complemento nutricional (Ferro SM, Potemax B12, Orosol, Aminosol, Hidrovit etc.) para muda de pena;
  • O papel do funda das gaiolas são trocados duas vezes por sema;
  • As banheiras são colocadas duas vezes por semana;
  • É dada farinhada duas vezes por semana (para que os pássaros não percam o hábito de comê-la);
  • É dado no máximo cinco tenébrio por pássaros (fonte de proteínas animal) quando necessário;
  • São retirados todos os artifícios utilizados no período de choca, inclusive capas de pano e proteção visual, de maneira que eles possam se ver, assemelhando se aos bandos na natureza.

NOTA:
No período de muda e choca, os colaboradores evitam movimentos intensos e bruscos para não provocar estresse aos pássaros.

É a fase ideal para se vermifugar o plantel, utilizando-se uma cápsula de G-TROX por 2 dias consecutivos, descansar cinco dias e repetir o G-TROX por mais dois dias. Importante enfatizar que, com este procedimento estaremos também vacinando contra ácaros de pena, bico e traquéia.

  • Suspender o tratamento usado durante o período de muda de penas. Descanso geral, inclusive de complementos nutricionais (exceto em casos especiais) por 2 ou 4 meses, aproximadamente;
  • Voltar a dar normalmente o tratamento com Potemax B12, Orosol, Aminosol, Hidrovit etc. por aproximadamente um mês antes de colocar os ninhos para a choca.

Preparação para o início da fase de reprodução

MANEJO REPRODUTIVO

O período reprodutivo é uma fase de intenso movimento no criatório, por isso o criador deve ter atenção redobrada. Este é um dos itens mais complexos na criação em ambiente doméstico, dada a agressividade de algumas fêmeas. É importante ficar atento ao período reprodutivo das aves que se dá na primavera e no verão, tendo como período de descanso o outono e inverno.

A reprodução dos bicudos e curiós poderá ser feita em viveiros ou em gaiolas criadeiras, o Criatório Macapaba utiliza as gaiolas, que permitem um melhor controle da atividade e o emprego de um macho para até 6 fêmeas. Assim um macho com qualidade superior poderá gerar muitos filhos em uma temporada. Apesar de a reprodução ser possível com machos de 18 meses e fêmeas de um ano, o ideal é empregar fêmeas com dois ou três anos e machos com a definitiva plumagem negra.

Inicialmente, nesse período o criatório é lavado e desinfetado. Todos os ninhos, poleiros e utensílios são lavados e desinfetados com KILOL sob imersão por 30 minutos. As gaiolas também serão lavadas e desinfetadas. Aos poucos, as fêmeas de Bicudos e Curiós serão retiradas das gaiolas onde fizeram a muda de penas e serão alojadas em gaiolas individuais de reprodução. Antes de serem soltas, passaram por uma avaliação física e, se necessário, suas unhas serão aparadas. Aves que estiverem com problemas de penas (muda encruada) serão imediatamente separados dos demais por poderem apresentar problemas de fertilidade nessas condições. Antes de serem soltos nas gaiolas, o número do anel será observado e anotado na placa de identificação da gaiola. Cada exemplar do criatório possui um nome, por isso, posteriormente cada plaquinha recebeu o nome da ave, conforme ficha individual que possuem dados como nome, número do anel e genealogia.

O Criatório Macapaba estar sempre atentos às tão indesejáveis infestações de ácaros, piolhos, bem como a proliferação de doenças infecto-contagiosas.

Face ao exposto, o sucesso de uma criação depende fundamentalmente de um ambiente corretamente higienizado, onde se pratica a limpeza constante dos excrementos fecais, evitando-se rigorosamente a utilização de "jornal" para a forração do piso das gaiolas, e praticando a troca diária da água, não obstante ainda estar atento à renovação freqüente -; duas a três vezes ao dia, daqueles alimentos que se deterioram com maior facilidade, como por exemplo, a farinha úmida.

Portanto, há de ressaltar aqui que, um bom programa de higiene faz parte do cronograma diário de atividades do Criatório Macapaba.

Acasalamentos

Com todos os pássaros identificados, vacinados e alojados, inicia-se o processo de reprodução. Cada Bicudo e Curió receberão, afixado na parte interna da sua gaiola um ninho, onde ela deverá construí-lo. Em poucos dias pode-se observar fêmeas rasgando o papel do fundo das gaiolas e carregando-o para dentro do ninho. Esse é o momento de se colocar o material de ninho. Esse material é formado por saco de estopa desfiado, de 12 cm de comprimento e crina de cauda bovina cortado também a 12 cm, lembrando que ambos passam pelo processo de esterilização antes de serem utilizados. Primeiro oferece-se a estopa, material mais grosseiro, utilizado para a confecção da base do ninho. Quando o ninho já está bastante evoluído, coloca-se a crina, 11 utilizada pelas aves para o arremate do ninho, de forma a melhor acomodar os ovos e filhotes.

Importante ressaltar que o processo de confecção do ninho por parte da fêmea indica que o acasalamento deve ser feito. Depois de definido o macho a ser usado no acasalamento, abre-se espaço na prateleira para sua gaiola ao lado da gaiola da fêmea a ser coberta. Mantém-se a divisória entre as gaiolas, de forma que ambos não se vejam. Duas vezes por dia, retira-se essa divisória, e observa-se o comportamento do casal. Em geral a aceitação é mútua e a fêmea, quando está aceitando o macho abaixa-se no poleiro, esperando pela cobertura (comportamento conhecido popularmente por "pedir gala"). Nesse momento, abrem-se os passadores, para que o macho vá até a gaiola da fêmea. Em geral a cobertura dura de 1 a 2 segundos, e o macho já volta para a sua gaiola. O separador é recolocado entre as gaiolas. A operação vai se repetindo duas vezes ao dia, até que a fêmea deixe de aceitar o macho. De maneira geral, a oviposição se inicia no segundo dia após a última cobertura. No total são postos de dois a três ovos, mas esse número pode chegar até mais.

Lembrar sempre que essa etapa é a mais importante para o sucesso da reprodução. Todos os ninhos são observados diariamente e deve-se ficar muito atento para que não se perca o momento do acasalamento.

  • Colocasse raízes varias vezes ao dia (a quantidade excessiva na gaiola provoca o desinteresse das fêmeas;
  • Coloca-se barbante. Mantendo-os até a fêmea venha a botar;
  • Colocam-se os ninhos;
  • Colocam-se ficha de procriação nas gaiolas;
  • Colocam-se capas de pano nas gaiolas;
  • Os reprodutores ficam em outro cômodo. A quantidade de machos para acasalamento é de (1 para 6 fêmeas, aproximadamente);
  • É colocado banheiro para banho apenas 2 vezes por semana, evitando assim o estresse.
  • Troca-se o papel do fundo das gaiolas duas vezes por semana, ou mais se necessário;
  • Completa-se ao grite mineral uma vez na semana;
  • Dar complemento vitamínico para incentivar a choca (Potemax B12, Orosol, Hidrovit etc.);
  • Se limpa o ninho sempre que necessário (os pássaros não chocam em ninhos sujos;
  • Coloca-se farinhada todos os dias.

É a relação sexual entre o casal. O macho estufa as penas, mostra-se garbosamente, levanta as asas e canta o mais bonito que sabe. A fêmea abaixa as asas e fecha os olhos. Em seguida ele, batendo as asas, voa acima das fêmeas e, colocando os pés nas costas dela, faz com que, durante um segundo, haja o contato das cloacas. Dessa forma, o esperma penetra no organismo da fêmea e fica retido no oviduto até fecundar os ovos.

Provavelmente é um dos itens mais complicados na criação em ambiente doméstico, principalmente de bicudos, por causa da agressividade de certas fêmeas. Cada uma é de um jeito, umas batem no bicudo e outras são mais mansas. É fundamental que se conheça o procedimento de cada uma no momento da gala. Cada macho também tem um tipo de reação e uma maneira de galar. Fique muito atento a isso, conheça o melhor possível cada um, macho e fêmea, faça anotações para isso. Nunca coloque machos inexperientes com bicudas/curiolas agressivas. Para cruzar essas, às vezes funciona retira-las do ambiente e tentar a gala em local afastado de sua respectiva morada.

Além de toda a dificuldade, ainda é muito comum a esterilidade momentânea ou definitiva, principalmente nos machos. Por isso, só coloque machos para galar da cloaca (espigão) visíveis e arreadas. Caso aconteçam ovos brancos (não fertilizados) administre vitamina E, selênio e lisina. Ela abaixa, em geral, dois a três dias. A gala mais eficaz é a do segundo dia à tardezinha, na antevéspera do primeiro ovo. Sempre que colocá-los juntos, na mesma gaiola, observe constantemente o comportamento do casal para atuar, em caso de necessidade. Outra forma boa de cruzar é ao clarear do dia, na hora que o bicudo/curió acorda; nesse momento eles estão muito propensos a galar, porque no mato faz isso todo dia a esta hora. Muitos deixam o passador aberto à noitinha para fechá-lo assim que clareia o dia. Só faça isso com machos bem experientes. Nunca deixe a fêmea pegar o macho e vice-versa, antes ou depois da gala. Isto pode inviabilizar definitivamente o cruzamento que se deseja fazer e não se esqueça de anotar o nome do casal, o dia e a hora do cruzamento. Há fêmeas que ficam abaixando sem botar por vários dias, pode ser problemas com a alimentação ou saúde da ave, ocorre muito quando o procedimento se refere à primeira postura da temporada.

O Criatório Macapaba utiliza a gaiola como manejo reprodutivo, o melhor jeito é:

  • Usar um macho para várias fêmeas;
  • Deixar o respectivo separador na posição de fechamento se for preciso;
  • Colocar a gaiola do macho ao lado da gaiola da fêmea com os respectivos passadores abertos;
  • É comum a fêmea escolher o macho pelo canto ou pelo aspecto físico. Afaste os machos não utilizáveis na reprodução;
  • Certifique-se que a fêmea está mesmo receptiva e abaixando;
  • No primeiro dia, às vezes, ela ainda não aceita;
  • Só retirar a tábua separadora quando a fêmea abaixar, isto é, ficar na posição de receber a gala do macho;
  • Após a gala, fechar imediatamente o separador do meio da gaiola, colocando um de cada lado, para não acontecerem desentendimentos entre eles;
  • Lembrar que uma só gala, se for no momento certo, dá para fertilizar até três ovos;
  • Só colocar o macho para galar duas vezes por dia, uma de manhã, bem cedinho, e outra à tardinha.

Obs.: Há machos que não podem ficar perto de fêmeas que estão pedindo gala, ficam chocos ou passados de fêmeas e aí recusam temporariamente fazer a cobertura. Afaste-os do criadouro e traga-os somente no momento da gala.

Depois da gala, a fêmea bota o primeiro ovo, em geral no segundo dia. O outro ovo virá num intervalo de 24 horas. No ambiente doméstico, por causa da alimentação privilegiada, existem fêmeas que quase sempre botam 3 ovos. Nesta fase bebe muita água e procura alimentos ricos em cálcio, muita atenção para esses fatos. Se a fêmea estiver com dificuldade para botar (ovo atravessado), dê-lhe imediatamente água com açúcar. Caso haja ocorrência de ovo mole (sem casca), ministre meia colher de café de bicarbonato de sódio em bebedouro de 50 ml, durante 24 horas até a bota do segundo ovo.

Algumas deitam no ninho já no primeiro ovo. Retire com cuidado este ovo e substitua-o por um indez até a bota do segundo para que os filhotes nasçam juntos. Após isto, não deve mais ser incomodada. Se os ovos estiverem férteis lá pelo sétimo dia eles ficam escuros e opacos, se estiverem transparentes após o oitavo dia é indício de que estão gorados. Quando por algum motivo um ovo se trinque, tente tampar o buraco com gesso, assim ele estará mais protegido contra a entrada de micróbios.

A comida terá que ser seca para evitar mal estar e o incomodo dos gases intestinais nesse período. Muitas fêmeas não deitam no ninho, especialmente as de curió e as novas de bicudo. Passe os ovos para outra fêmea.

No décimo - segundo ou décimo - terceiro dias nascem os filhotes. Aí começa a fase em que todo o cuidado é pouco. Principalmente nos primeiros 6 dias. No inicio ela alimenta um pouquinho de cada vez e os filhotes se desenvolvem muito. Muito cuidado se a fêmea não estiver sobre o filhote durante o dia. Nesse caso ele tende a esfriar, não fará a digestão e acabará adquirindo infecção e morrendo em seguida. Arranje uma estufa de temperatura de 34 graus e coloque-o ali e a cada hora na gaiola para ser tratado pela mãe. Faça isso até ele se desenvolve mais. Observe também, se a mãe deita sobre os filhotes à tardinha antes do décimo dia; caso contrário recolha-os a um lugar aquecido e só os reponham na manhã seguinte, bem cedo.

Não movimente outros pássaros por perto, não chame gente estranha para ver os filhotes e tampouco mude a rotina de procedimentos com que a fêmea está acostumada. Evite falar com tom de voz alto perto das fêmeas com filhotes novos. É preciso que seja observado pelo menos quatro vezes ao dia, qualquer sinal de alteração, atue imediatamente.

Se a mãe estiver com as penas molhadas em volta do pescoço, é sinal de que os filhotes estão num processo de diarréia, procure saber o que é, principalmente quanto à fermentação do alimento servido, aja imediatamente. É muito comum, também, que de uma hora para a outra venham a entrar em situação de emergência e de risco de vida, normalmente do terceiro ao oitavo dia de vida, seu intestino trava, o pescoço afina e o bichinho falece rapidamente. Isso pode acontecer por falta de calor da mãe, ou porque estão infectados ou doentes, quase sempre por fungos. Arranje uma estufa e aqueça-os a 34 graus Celsius durante uma hora e coloque-os em seguida para ser tratado pela fêmea, logo ele poderá estar recuperado, se não for doença. Vá repetindo o procedimento até superar o problema.

Os filhotes devem sempre estar com o papo cheio, principalmente na hora de dormir. Se não estiver acontecendo mude o tratamento. Procure saber o porquê está acontecendo este problema. Veja se a mãe esta aceitando bem a alimentação administrada. É muito comum a fêmea arrancar penas dos filhotes. Muitos filhotes saem do ninho e não abrem o bico para a fêmea tratar, nesse caso, trate-o diretamente no bico até que ele passe a ingerir a comida recebida de sua mãe. Atenção total para a higiene e evite o contato com a umidade excessiva. Muita ajuda adicionar terramicina com complexo B, à alimentação. Bom também é administrar aos filhotes do segundo ao oitavo dia uma gota de água com tilosina para evitar o Mycoplasma. É comum o contagio dos filhotes por fungos, ácaros e bactérias. O ataque de fungos provoca abrição de bico, de elevada mortalidade. O fungo provoca depressão e as bactérias especialmente a Escherichia Coli entram matando os filhotes que ficam com o abdômen inchado sem conseguir evacuar. Para ajudar, desinfete o ninho a cada dois dias com sulfato de cobre, e se possível utilize também calor a 120 graus Celsius. Não se deve esquecer-se de manter todo controle possível sobre os fungos, nas rações, na farinhada e em todo o ambiente.

Para criar filhotes são muitas e muitas variáveis que só as experiências ao longo de muitos anos trarão para cada um respectivas rotinas mais apropriadas para que haja sucesso na criação.

Observações: - Com cuidado, sem nenhum problema, podem-se manusear os ovos e os filhotes e até trocá-los de ninho e de mãe;

Obrigatoriamente, faça periodicamente exame nos materiais de seu criadouro, tipo antibiograma e negativo de fungos e ácaros.

Nascimentos

Aos 7 ou 8 dias de incubação, é feita a ovoscopia para identificação dos ovos férteis. Os ovos inférteis são descartados. Se todos os ovos forem inférteis, deve-se descartá-los e tirar a fêmea do processo de incubação, retirando o ninho e colocando-se a banheira com água de banho.

O nascimento se dá no 13º dia após o início da incubação. É desejável que a fêmea inicie o choco após a postura do último ovo, para que os nascimentos ocorram no mesmo dia, caso contrário a mortalidade aumenta pela diferença de idade (e conseqüente tamanho) entre filhotes. Podem-se utilizar ovos de plástico tipo indez, de forma a trocar cada ovo posto por um ovo artificial, até que no momento da ultima oviposição a troca seja desfeita. Porém, esse procedimento é minucioso, é sempre utilizado no criatório, com a finalidade de formar grupos homogêneos para cada fêmea.

Identificação

Aos sete a dez dias de vida, procurando se evitar ao máximo o estresse. Os filhotes de Bicudos e Curiós recebem o anel em seu tarso, direito, utilizando técnica bastante simples. No caso, o Criatório Macapaba pretende adquirir anéis sob encomenda, diretamente do fabricante autorizado pelo IBAMA. A anilha será inviolável, única e feita de alumínio na cor verde, contendo o seguinte código:

Exemplo de código de anilha: 2.8 AP 1302, que significa:

  • 2.8 de diâmetro interno, em milímetros. (para os Curiós)
  • 3.0 de diâmetro interno, em milímetros. (para os Bicudos)
  • AP: Estado de Origem.
  • CMCP: Sigla do Criador – Iniciais do Criatório Macapaba.
  • 1302: Numero de série.

Os anéis dos Bicudos e Curiós são semelhantes, o que muda é o diâmetro interno: Curió: 2.6mm e Bicudo: 3.0mm.

A anilha é um anel de metal e só pode ser colocado quando o pássaro ainda é filhote. É uma prova que o animal anilhado nasceu em cativeiro, não tendo sido capturado na natureza.

Separação dos filhotes

O filhote será separado dos pais por volta dos 40 dias de idade em que já pode comer sozinho, embora se precise tomar cuidado especial com a sua saúde e alimentação. Para evitar o estresse, não deve ser separado de seu irmão de ninho, Isso pode ajudar positivamente no amansamento, na formação de sua personalidade, porque seu mano é uma companhia, um amigo e será bom para a qualidade das crias. É bom que se ministre arnica homeopática – potência CH6 – nos três primeiros dias do desmame.

É necessário que se continue ministrando, aminoácidos essenciais solúveis diariamente e Polivitamínico 3 vezes por semana até que termine a muda de ninho, aos seis meses de idade. Nesse período recomenda-se, também que o filhote fique resguardado e mantido em locais onde não haja umidade, corrente de vento e ambientes infectados, todo cuidado com fungos.

Quanto à sexagem é muito difícil nos filhotes de 2 a 3 meses; a única maneira segura seria através do DNA.

Entre os 17 - 18 dias de vida, os filhotes abandonam o ninho. Nesse momento, é importante que se retire o ninho e a coloque no processo de lavagem e desinfecção, para que volte o quanto antes para a fêmea. Isso é feito porque as fêmeas tendem a entrar em nova oviposição em poucos dias, antes mesmo dos filhotes estarem se alimentando sozinhos. O processo é semelhante ao inicial, a fêmea faz o ninho novamente com material novo. O procedimento só muda no momento da cobertura, pois agora os filhotes têm de ser retirados da gaiola da fêmea para que o macho não estranhe os mesmos. Quando os filhotes atingem os 32 a 35 dias, são retirados da gaiola da fêmea, pois já se alimentam sozinhos.

É interessante colocá-los em local bem visível, para que fiquem sob observação por aproximadamente 15 dias antes de serem encaminhados para a Ala de filhotes ou comercializados.

Após a muda de seis meses, pode-se começar outra fase de manuseio dos filhotes, separando-os um em cada gaiola. Inicia-se, então, o treinamento para acostumá-los com capa, passeio, volta de carro e tentativas de acasalamento. Tudo isso com muito cuidado para não ir além dos limites, causando transtornos psíquicos irreversíveis. Temos sempre que nos lembrar da condição de jovens, que ainda estão entrando na adolescência.

O bicudo vive mais, por isso demora mais para aprontar. Assim, só é plenamente desenvolvido aos 6 anos e o curió, já aos 4 anos. Isso porque, até essas idades, para participarem de torneios, terão muito mais chances de se tornarem verdadeiros campeões.

Outro item importante é descobrir bem cedo, pelas evidências apresentadas, qual é a aptidão de cada um. Se tem fibra, se tem um bom canto e se é repetidor. É fundamental que se respeitem as características de cada pássaro para se conseguir um pretenso campeão.

Sabe-se, entretanto, a maioria dos filhotes não satisfará plenamente as expectativas do criador, daí a grande importância da aplicação sistemática da seleção genética.

Os cuidados na anotação dos dados são constantes no Criatório Macapaba. Além da ficha individual de cada pássaro, utiliza-se um formulário em que se anotam, diariamente, os acasalamentos feitos, as oviposições, os nascimentos, os óbitos, resultados das ovoscopias, e outros. O mais importante é o controle genealógico. Existe um programa de Software, denominado de SISCOPAS, adquirido do Criatório KAKAPO, onde é colocado semanalmente todo o manejo do Criatório Macapaba, usamos há poucos anos esse software, onde cada indivíduo está registrado. Nele, anota-se o número do anel, o nome (apelido), a data de nascimento, nome dos pais, os casais, galadas, posturas, as observações do período, etc.

Importantíssimo é manter atualizadas as fichas individuais. A cada óbito, fuga ou comercialização é dada baixa, assim como é dado entrada de novos reprodutores no plantel, tudo registrado no sistema.

Diagnósticos Laboratoriais.

Constituem os meios mais seguros e precisos disponíveis para elucidação das mais diversas doenças a que a que estão sujeitos os pássaros em cativeiro, infelizmente, ainda hoje, o uso desses exames é pouco comum, devido ao custo e, principalmente, pelo desconhecimento de como utilizá-los e de seus benefícios.

Como um bom exemplo do uso dos exames laboratoriais, podemos citar o exame anual de todo o plantel do Criatório Macapaba, ante do período de choca. Esses exames são direcionados para a verificação do estado de saúde do plantel em relação aos parasitas: vermes e protozoários (coccidiose), às bactérias (Salmonellas, Escherichia coli e o Mycoplasma etc.), que representam o maior terror da reprodução, gerando ovos com casca mole, brancos, com defeitos na casca, morte do embrião e, também, dos filhotes nos primeiros dias de vida (mancha rocha ou preta do lado do abdômen).

Em determinado momento, viu-se a necessidade de realizar exame de fezes de aves que apresentavam problemas reprodutivos, apatia, penas eriçadas ou outras características que fugiam da normalidade.

Diversas amostras de fezes foram colhidas e enviadas a um laboratório, com auxílio e consulta a um profissional parasitologista, chegou-se à conclusão de que havia leve infestação por Eimeria sp. e por nematóides. Para a Eimeria sp., providenciou-se tratamento preventivo contínuo para todo o plantel, administrando-se coccidiostático (COCCIDEX – AARÃO) junto à água de beber por um período de 5 dias. Para os nematóides, usou-se vermífugo (G-TROX – AARÃO) por dois dias consecutivos na água de beber de todo o plantel, procedimento repetido após 15 dias.

Os resultados obtidos com os tratamentos foram excelentes, posteriormente foram coletadas e analisadas novas amostras, onde se notou rápida e substancial diminuição dos níveis de infestação.

Materiais para Exames:

  • Fezes;
  • Ovos embrionados (cheios);
  • Filhotes mortos (nos primeiros dias de vida ou alguns dias mais velhos);
  • Secreções (líquido expelido pelo bico ou narinas;
  • Material retirado do pássaro vivo (biópsia, exemplo: material retirado dos pés e secreção retirada de dentro do bico ou garganta;
  • Pássaro morto para necropsia;

Sugestões de Laboratórios para Exames Diversos:

1. IPEVE – Instituto de Pesquisas Veterinárias Especializadas Ltda
Rua Esmeraldas, 786 – Prado – Belo Horizonte – MG
Tel:(31) 3371-5630

2. GRUPO SÃO CAMILO – Medicina Diagnóstica
Rua Carlos Correa Borges, 851 – Maringá – Paraná – CEP: 87.015-170
Tel: (44) 3029-9660 - www.scbiotec.com.br - [email protected]

Alimentação

Num sentido simplificado pode-se dizer que são elementos responsáveis pela formação, desenvolvimento e multiplicação dos seres vivos, inclusive dos pássaros.

O organismo atua como uma máquina que produz e consome energia, tendo sua origem no aparelho digestivo, onde os alimentos são transformados e absorvidos por um processo denominado metabolismo. Em cativeiro temos como necessários e principais para uma criação saudável de granívoros (que comem grãos) os seguintes alimentos: água, rações, sementes, grite mineral (areia preparada), complementos nutricionais, larvas de tenébrio etc.

Na ultima década a indústria de alimentos para pássaros tem passado por grandes modificações conceituais, mas mesmo assim vem enfrentando resistências na quebra de paradigmas, sendo um dos maiores desses a prática de alimentação baseada em sementes. Este tipo de alimentação, como já foi comprovado, causa uma série de distúrbios e carências. As sementes até podem ser suficientes para suportar as necessidades de manutenção de um pássaro adulto, fora do período reprodutivo e muda; mas não são capazes de satisfazer as exigências nas fases de crescimento e postura. Então não podemos esquecer que 90% das rações são compostas de SEMENTES, porém processadas de uma maneira que se eliminam as partes nocivas (químicas e físicas) e valorizam-se as partes boas. Podemos tornar os produtos industrializados mais eficientes por serem homogêneos e possuírem todas as vitaminas, minerais e os mais modernos aditivos.

Não podemos esquecer que as rações já são devidamente moídas, economizando para a ave um enorme esforço energético com a moagem das sementes. Então um exemplo claro das vantagens das rações extrusadas frente às sementes, reside no fato de que o consumo médio das primeiras é menos da metade das segundas, o que demonstra um ganho econômico substancial para o bolso do criatório.

Água

Além de essencial aos pássaros, a água é o elemento indispensável para qualquer tipo de vida, pois é responsável pela circulação de todos os nutrientes no interior do organismo vivo. É usada separadamente, porém em condições especiais é largamente utilizada com um bom veículo na aplicação de medicamentos e complementos nutritivos. Considerando sua qualidade, precisamos ter cuidados especiais, pois constitui um perigoso veículo transmissor das mais diversas doenças (microbianas, parasitárias, química etc.). Em qualquer circunstância a água deve ser tratada.

No uso diário em gaiolas, ela deve ser oferecida em bebedouro limpos (lavados diariamente) e esterilizados periodicamente (de 15 a 30 dias). Os bebedouros devem ser colocados em locais de fácil acesso, por tempo contínuo e devem ser mantidos sempre no mesmo lugar. Sua falta levará à desidratação, com quadros neurológicos, apresentando, assim, desequilíbrio, convulsões e perda de referências. Em estado mais avançado, a situação é irreversível, levando o pássaro à morte

Quando constatado a falta de água no bebedouro, é verificada a causa (esquecimento, defeitos, trincado, etc.) trocando-o se for o caso. A reposição do bebedouro com água na gaiola deve ser feita simultaneamente (colocando e retirando o bebedouro num espaço de tempo que permita ao pássaro tomar água somente três a quatro vezes, em cada intervalo que estiver a sua disposição). Isso para que, em sua ansiedade, ele não venha a beber água em excesso, causando possivelmente outros danos ao organismo.

Tenébrio – (Proteína Animal)

Larva originária do trigo, onde é encontrada como predadora. É comum e aconselhável o seu uso, principalmente na época de choca e da procriação. É um fator muito importante na alimentação e tem como componente principal alta concentração de proteína animal. As mães adoram comê-las, e em seguida, se apressam em tratar de seus filhotes. Em relação aos filhotes ainda pequenos (mais ou menos cinco a sete dias), é aconselhável usar larvas pequenas, médias e maiores ainda brancas, ou seja, que trocaram de casca recentemente, pois ainda são finas e macias, evitando-se acidentes digestivos nos filhotes.

O número de larvas por dia é muito variado entre os criadores, porém, o Criatório Macapaba utiliza de 5 a 15por dia (variando de acordo com os tamanhos) não farão mal algum. Outro período importante que o criatório observou para o uso das larvas é por ocasião de doença. Sendo o tenébrio de fácil apreensão e digestão, principalmente por seus movimentos constantes, ele atrai a atenção dos pássaros, reiniciando, assim, a alimentação que muitas vezes já estava ficando difícil. Depois de comer uma ou mais larvas, o pássaro já apresenta alguma melhora, voltando a comer outros alimentos, bebendo água e, com ela, os medicamentos a ele ofertados.

A alimentação do plantel é feita através da ração extrusada, que é igual para as duas espécies de pássaros. Três tipos de alimentos úmidos (farinhada) são oferecidos aos pássaros diariamente. O primeiro tipo atua como estimulante à reprodução, portanto, é oferecido para machos e fêmeas na época de reprodução. O segundo tipo de farinhada, mais rico em proteínas, é oferecido aos filhotes até os nove dias de vida e o último tipo é oferecido aos filhotes com mais de nove dias de vida até a maioridade. Os Bicudos e Curiós, além da farinhada e das rações extrusadas, recebem uma farinhada seca à vontade durante todo o ano.

RAÇÕES EXTRUSADAS SEM MEDO

A alimentação representa o principal fator na vida do pássaro, portanto, é importante uma dieta adequada do ponto de vista nutricional e que estimule o consumo gerando os melhores fatores de conversão sob todos os aspectos, como: longevidade, produtividade saúde alimentar e a relação custo benefício.

Algumas vantagens com rações extrusadas.

A diminuição de bactérias patogênicas, mofos e fungos, podem chegar à zero com a combinação de temperatura, pressão e umidade nas extrusoras e expansoras, ao contrario dos grãos de sementes seriamente comprometidos com infestações de micro toxinas - substâncias produzidas por fungos que se desenvolvem nos grãos - que por serem estáveis não são destruídas pelo calor, cocção ou congelamento.

Estudos científicos nos revelam que uma estimativa de 25% das sementes produzidas no mundo esteja contaminada com micotoxinas (Feeding Times).

Muito importante que nós criadores estejamos alertas na aquisição destes produtos, afinal o serialista não tem a mesma responsabilidade que os fabricantes de rações animais. Este com infraestrutura industrial voltada para o aprimoramento de seus produtos, no campo da pesquisa científica e nutricional, visa atender o mercado cada vez mais exigente e competitivo.

Utilizamos em nosso criatório ração da Alcon Eco Club porque são rações completas, balanceadas, para o período de manutenção Alcon Eco Club Curió que é uma ração completa com 16% de proteína e para o período de reprodução Alcon Club Top Lyfe ou Super Top Lyfe, com 25% de proteína.

A Ração Alcon Club Curió é utilizada pelo Criatório Macapaba para a fase de manutenção dos pássaros (descanso) é uma ração extrusada de alta digestibilidade que atende totalmente às exigências nutricionais de pássaros como Curió e Bicudo, podendo perfazer 100 % de sua alimentação. Contém Prebiótico que promove o crescimento seletivo de bactérias benéficas presentes nos intestinos, diminuindo por competição os microorganismos patogênicos e prevenindo infecções intestinais. Seu uso evita problemas nutricionais, como excesso de gordura e deficiência de vitaminas, freqüentes nas dietas à base de sementes. Elaborada com ingredientes selecionados, vitaminas e minerais de alta qualidade, esta alimentação apresenta as cores, textura e aroma mais agradáveis aos pássaros. Proporciona considerável economia, já que o consumo é cerca de 30 a 40 % menor que o volume de sementes que seriam utilizadas, em função das cascas e do desperdício de sementes pelos pássaros. alcon Club Curió facilita muito o manejo, pois não há necessidade da rotina diária de soprar as cascas das sementes. Deste modo a ração pode ser fornecida para vários dias. A ausência de agrotóxicos, normalmente presente nas sementes, evita intoxicações e doenças pulmonares. Criadores profissionais que utilizam a ração há mais de 10 anos atestam que o uso continuado do produto melhora o potencial reprodutivo e o estado nutricional do pássaro, aumentando sua resistência e diminuindo sobremaneira a incidência de doenças e a mortalidade, além de aumentar a vitalidade, a beleza das penas e o vigor do canto.

Modo de Usar:
Servir em comedouros limpos e secos. Deixar água limpa sempre à disposição. Pássaros habituados às dietas a base de sementes poderão estranhar inicialmente o novo alimento.

Alcon Club Top Life é um alimento altamente nutritivo, necessário para a manutenção da vitalidade dos pássaros nos períodos de maior exigência, como reprodução, muda de penas, convalescença ou estresse. Viagens, mudança de local, excesso de ruídos e doenças são algumas das causas de estresse em pássaros.

Elaborado em processo de extrusão, com ingredientes selecionados, ovos desidratados, vitaminas e minerais de alta qualidade, alcon Club Top Life apresenta excelente palatabilidade e proporciona adequada nutrição para adultos e filhotes, com grande digestibilidade. Contém Prebiótico que promove o crescimento seletivo de bactérias benéficas presentes nos intestinos, diminuindo por competição os microorganismos patogênicos e prevenindo infecções intestinais. Este efeito favorece a instalação da flora intestinal adequada nos filhotes, responsável pela melhoria na digestão e maior resistência às doenças. O uso de alcon Club Top Life aumenta a eficiência reprodutiva, reduzindo a incidência de ovos gorados, além de melhorar sensivelmente o canto. A suplementação alimentar nos períodos de maior exigência nutricional pode também ser feita com extrema eficiência com alcon Club Farinhada com Ovo para Canários, Alcon Club Farinhada com Ovo para Psitacídeos e alcon Club Farinhada - Pássaros Frugívoros e Insetívoros, além dos suplementos da linha alcon Club.

Modo de Usar:
Servir em comedouros limpos e secos, nos períodos de reprodução e muda, ou a partir do momento em que se observarem sintomas de doença ou sinais de estresse. Durante o período de alimentação dos filhotes, alcon Club Top Life pode ser servido úmido, em comedouro separado. Neste caso, o comedouro deverá ser lavado diariamente. Não é necessário acrescentar ovos.

Farinhadas Comerciais

É denominação dada à associação de ingredientes nutritivos sob a forma de farinha, pó ovos cozidos e até mesmo líquidos. Essas farinhadas são encontradas já prontas em loja especializadas no ramo. Quanto a origem, elas podem ser tanto importadas quantos nacionais, pois no Brasil já existem algumas de boa qualidade como a CC 20-30 PREMIUM e a FARINATTA CURIÓ E BICUDO da Angercal, ais quais são utilizadas pelo Criatório Macapaba umedecida ligeiramente.

No Criatório Macapaba, como já citamos anteriormente, utiliza-se somente farinhada pronta, considerada atualmente a melhor opção na alimentação para pássaros; por sua preparação especifica, além de ser balanceada nutricionalmente.

CC 2030 Premium.

É excelente para o desenvolvimento dos nossos pássaros e é um produto completo, enriquecido com elementos vitais para os pássaros e desenvolvido para nossas realidades climáticas.

Este alimento é indicado para equilíbrio da flora intestinal dos pássaros, é um produto especialmente formulado para aves no inicio de sua vida, dando-lhes condições de desenvolver todo seu potencial genético. É um alimento que pode ser fornecida à vontade, seca ou adicionando água até atingir o ponto de umidade ideal, não precisa adicionar ovo. E caso utilize úmida, trocar diariamente.

Cuidados essenciais na aquisição da alimentação

  • Verificar os componentes (umidade, proteína, extrato etéreo, fibra bruta, matéria mineral, cálcio e fósforo), prazo de validade, conservação no setor de revenda e armazenamento no criatório.
  • Toda a farinhada comercial deve apresentar um bom Premix em sua composição, desta forma não há necessidade de suplementação (Farinatta da Argercal).
  • Evitar misturar com ovos. Prefira umedecer a farinhada, pois assim, não se altera a composição inicial. Umedecer a farinhada favorece uma nutrição mais completa, sem que a ave faça a seleção dos ingredientes. Algumas aves consomem farinhadas com sementes (Farinatta Premium Curió e Bicudo), outras espécies não alteram seu consumo com a presença destas sementes.
  • Podemos melhorar a absorção de alimentos com o uso de Promotores de Crescimento e de Probióticos nas farinhadas.

Complementos

Grite Mineral – areia preparada

É uma areia especial pela origem, processos de beneficiamento e edição de outros produtos, como casca de ovo, farinha de ostra, fosfato bicálcio e proteinato de cálcio. Sua função (na vida dos pássaros) – além da função química de seus componentes calcários (casca de ovo, farinha de ostra e fosfato bicálcio), a areia pura, associado aos movimentos da moela, executa a função de estômago mecânico, ou seja, moer, esmagar e triturar os alimentos mais duros e de difícil digestão, permitindo melhor absorção dos nutrientes pelo organismo dos pássaros.

O Criatório Macapaba utiliza o grite mineral da LAVOZOO, denominado de GRITZOO: suplemento das rações para o pássaro. Auxilia na prevenção das carências minerais, melhorando o crescimento e prevenindo o aparecimento de ovos com casca mole.

Composição básica do produto: carbonato de cálcio, farinha de conchas de ostras tipo um, fosfato bicálcio, cloreto de sódio e aroma.

Modo de usar: dar a vontades os pássaros durante todo o ano, trocando-os uma vez por semana do seu comedouro.

Osso de Siba

O Osso de Siba é utilizado no auxílio da suplementação de cálcio para o pássaro. O próprio pássaro saberá regular o consumo conforme sua necessidade.

CÁLCIO BLOCO

Corrige a parte intestinal. Afia o bico do pássaro. Fortalece a parte óssea. Deixa as penas mais brilhantes. Composição: Areia, Grit, Minerais, Carvão e Erva Doce.

FRUTAS, VERDURAS E LEGUMES

Geralmente têm uma grande composição de água, porém apresentam quantidades maiores de nutrientes que podem ser interessantes quando acrescentados à dieta.

Devem utilizadas de forma adequada e em quantidades adequadas, como uma complementação da dieta dos animais - não devem ser oferecidas em grandes quantidades já que podem trazer problemas (algumas frutas têm grande quantidade de açúcar, por exemplo).

O criatório tem cuidados essenciais com as frutas adquiridas, levando-se em consideração aspecto, cor e data de colheita, procurando adquiri-las sempre frescas e em poucas quantidades. O milho verde é um grande exemplo de contaminação; pois caso passe do seu ponto próprio para consumo ocorre a sua fermentação natural; e se oferecido ao animal, pode ocorrer sua intoxicação podendo levar a sua morte. Portanto, estas devem ser higienizadas adequadamente com solução higienizante a fim de se prevenir quaisquer transtornos para os pássaros.

Alimentação de filhotes

  • Papinhas para filhotes são produtos servidos hidratados, em pequenos volumes. Devem ser oferecidos frescos, com auxílio de uma colher limpa, tendo o cuidado de trocá-la a cada alimentação. Deve ser umedecida no momento do trato para que não fermente. Essa papa pode receber Promotores de crescimento e Probióticos iguais aos fornecidos para os pais.
  • As papinhas comerciais suplementam a alimentação feita pelos pais, ou podem ser usadas como alimento principal para criação de pássaros à mão (Energet Plus). Devem ser de ótima qualidade nutricional, com proteína em níveis superiores a 22%.
  • Podemos melhorar a absorção de alimentos com o uso de Promotores de Crescimento e de Probióticos nas farinhadas.
  • A ave deve ser limpa após cada alimentação, para evitar sapinho ou Candidiase, oportunistas da falta de cuidados com os filhotes.
  • Filhotes debilitados devem ser hidratados. Usar pequenos volumes oferecidos com freqüência de 1 em 1 hora, com soluções hidratantes e energéticas (Hidraforte). Devem ainda ser mantidos em local quente (bolsas de água quente, aquecedores, ou Gaiola enfermaria, Berçário). Voltar o filhote ao contacto com os pais, assim que apresentar reação de pedir alimento.

A farinhada úmida é trocada diariamente, assim como a água dos bebedouros. A farinhada fermenta em poucas horas, por isso é trocada três vezes ao dia. Ao final de cada dia, é importantíssimo que se retire todos os comedouros usados com a farinhada úmida, para lavagem e desinfecção. Jamais se deixa a farinhada amanhecer. No caso das fêmeas com filhotes, além da retirada da farinhada ao final da tarde, troca-se o papel do fundo das gaiolas para evitar que a fêmea, pela manhã, utilize restos contaminados na alimentação dos filhotes.

Segundo BENEZ (1998), a relação Cálcio: Fósforo (Ca:P) ideal para aves é de 2:1. BASEGGIO (1999), afirma que pássaros em crescimento lento necessitam de aproximadamente 0,5% de Ca e 0,3% de P na dieta. Para pássaros em crescimento rápido, o autor recomenda o fornecimento de 1,2% de Ca e 0,6% de P.

Ainda segundo BASEGGIO (1999), a exigência protéica para filhotes de pássaros de gênero Carduelis sp., de 0-9 dias de vida, é de aproximadamente 26%. O mesmo acontece com as matrizes. A dieta, formada a partir de ração extrusada (13,45% PB) e farinhada de reprodução (12,2% PB), atinge a recomendação de BASEGGIO (1999), que sugere de 24-26% de proteína bruta para pássaros em reprodução. Além disso, muitas fêmeas arrancam penas dos filhotes, sintoma que pode indicar deficiência protéica.

Quanto ao nível de energia da dieta, não há considerações a serem feitas. Segundo KLASING (1998), pássaros em crescimento têm requerimento energético similar aos pássaros em manutenção. Além disso, não se nota sintomas como acúmulo de gordura ou deficiência de peso.

Complementos Nutricionais

Denominação dada a uma associação de elementos nutritivos orgânicos e minerais indispensáveis a vida em geral. Tem por finalidade suprir deficiências nutritivas ocasionadas por situação diversas, como estresse, viagens, torneios e até mesmo complementar a alimentação usual. Também são muito utilizados como reforço nutricional depois de qualquer tratamento de doenças. Na convalescência, o organismo animal fica muito debilitado, tanto pelo agente responsável pela doença quanto pelos medicamentos usados nos tratamentos (efeitos colaterais). A utilização desses complementos é indispensável no período de muda de pena, de choca e de procriação, quando o organismo sofre um desgaste nutricional intenso.

Sugestões – dosagem e uso

Entre os vários produtos existentes no mercado, o Criatório Macapaba utiliza os seguintes:

  • POTEMAX B12 – Polivitamínico, mineral – reconstituinte e estimulante.
    Dosagem: 6 ml para cada litro de água ou 5 gotas para cada 50 ml de água no bebedouro.
    Tempo de uso: 20 a 30 dias.
  • POTENAY – Oral NF – Polivitamínico e mineral
    Dosagem: 7 ml para cada litro de água ou 7 gotas para 50 ml de água no bebedouro.
    Tempo de Uso: 20 a 30 dias.
  • VITAGOLD – Polivitamínico.
    Dosagem: 4 ml para cada litro de água ou 4 gotas para cada 50 ml de água no bebedouro.
    Tempo de uso: 20 a 30 dias.
  • AMINOSOL – Polivitamínico e aminoácidos.
    Dosagem: 1 ml para cada litro de água ou 2 gotas para cada 50 ml de água no bebedouro.
    Tempo de uso: 20 a 30 dias.
  • OROSOL – Suplemento Polivitamínico para alimentação animal (pássaros).
    Dosagem: 1 ml para cada litro de água ou 2 gotas para cada 50 ml de água no bebedouro.
    Tempo de uso: 20 a 30 dias.
  • HIDROVIT – Polivitamínico, aminoácidos, sais eletrolíticos.
    Dosagem: 1 ml para cada litro de água ou 1 gotas para cada 50 ml de água no bebedouro.
    Tempo de uso: 10 a 15 dias consecutivos na convalescença, na muda de pena, na choca e na procriação ou por desidratação.
  • PROTOVIT – Polivitamínico.
    Dosagem: 1 ml para cada litro de água ou 1 gotas para cada 50 ml de água no bebedouro.
    Tempo de uso: 20 a 30 dias, ou mais se necessário.

NOTA:
Fazer uso contínuo de farinha de ostra na areia com casca de ovo e fosfato bicálcio na farinhada.

TOPO